um amor que renasce todos os dias

Histórias de amor incríveis: um amor que renasce todos os dias

Deuses do Amor - Última atualização: 23 de novembro de 2023

Algumas histórias parecem existir para que pareçamos que o amor não conhece limites. Histórias incríveis que somos capazes de abalar por dentro e nos fazem esperar que o amor, ó verdade, não exista. Hoje: um amor que renasce todos os dias!

Era 2004 quando um simpático Adam Sandler e um lunático Drew Barrymore interpretaram o filme 50 vezes o primeiro beijo. O filme, dirigido por Peter Segal, segue um galã veterinário do Havaí, Henry, e seu encontro com a bela e excêntrica Lucy, uma professora de arte local. Henry se apaixona por Lucy, mas, ao conseguir conquistá-la, descobre que ela já se esqueceu dele no dia seguinte. Ele fica sabendo por parentes que, após um grave acidente, a menina sofre de um distúrbio cerebral que a impede de se lembrar dos acontecimentos recentes. Todas as manhãs, o pai faz Lucy reviver a véspera do acidente, que é o aniversário dela. Henry não desiste e, com truques cômicos e particulares, consegue se casar com Lucy, iniciando uma nova vida com ela todos os dias.

11 anos após o lançamento deste belo filme nos cinemas, chega uma história extraordinária de Rochester, cidade de mais de 200.000 habitantes no estado de Nova York, que não se pode dizer que “copiou” o filme da dupla Sandler-Barrymore apenas para o simples fato de que esta história é absolutamente verdadeira.

O casal americano

Em 4 de outubro de 1941, a Segunda Guerra Mundial estava em pleno andamento, mas os Estados Unidos, por ainda não terem sofrido o ataque aéreo japonês a Pearl Harbor, foram afetados de forma limitada. Naquele dia, um garoto e uma garota de 17 anos se encontram em um baile e dançam juntos: eles ainda não sabem que este será o começo de sua história de amor. Jack e Phyllis começam a namorar e em 20 de fevereiro de 1943, em pleno conflito, decidem se casar. Desses dias de amor, desses dois anos de paixão e sonhos, sabemos tudo. O mérito vai para Jack, que herdou do pai o hábito de anotar num diário tudo o que de particularmente significativo lhe acontece (depois da noite da primeira dança escreveu: «Foi uma tarde fantástica. Dancei com uma rapariga maravilhosa . Espero vê-lo novamente”). E assim tem feito desde 1938, quando seu pai lhe deu seu diário pessoal no Natal, até os 91 anos. Um hábito que se revelará muito importante na sua história de amor com Phyllis.

Doença da esposa

De fato, em 2008, Phyllis Potter começou a sofrer de uma forma leve de demência senil que, no entanto, foi se agravando cada vez mais com o tempo, de modo a convencer o marido a tratá-la em um centro específico. Jack sofre ao ver que o mal leva sua amada, em algumas ocasiões, a nem mesmo reconhecê-lo. E é assim que ele encontra aliados excepcionais em seus meticulosos diários antigos. De fato, há 7 anos, Jack Potter vai todos os dias à casa de repouso para visitar sua esposa e, depois de se acomodarem em um confortável sofá, começam a folhear juntos os diários que contam a história de suas vidas. Histórias, diálogos de conversas, documentos importantes e fotografias de amigos ajudam Jack, que conta a Phyllis aquela vida que viveram juntos durante 70 anos e que ela agora parece ter esquecido.

Um amor que renasce todos os dias

Todos os dias, Jack e Phyllis revivem sua história de amor como se fosse a primeira. Jack ajuda Phyllis a se lembrar dele, de seu amor, de suas alegrias e de seus sofrimentos, sempre compartilhados. No hoje revivem o ontem e abandonam-se suavemente ao amanhã. Talvez seja por isso que nos diários de Jack há uma frase que sempre volta, uma frase que nos estimula a apostar no presente e é também o refrão do grande sucesso de Doris Day: «Que sera, sera, o que for, será». O que será, será, não nos é permitido saber o futuro.


Gostou desta matéria sobre Histórias de amor incríveis: um amor que renasce todos os dias? Se sim, por favor, curta abaixo com um Like para que possamos entender melhor os interesses de nossos leitores. E leia mais dicas aqui