don giovanni

O mito de Don Giovanni, o grande sedutor

Última atualização: janeiro de 2024

Don Giovanni é um dos grandes mitos do Ocidente, um personagem de origem lendária que logo se tornou a encarnação do sedutor irreprimível, do libertino sem escrúpulos e sem moral, do conquistador serial, mas também do ímpio e enganador que faz diversão não só das mulheres mas também das leis e até de Deus.

Esta figura irrompe na literatura, na poesia, na ópera (onde Mozart se destaca), no cinema, mas domina sobretudo no teatro, onde se torna protagonista de importantes obras a começar por El Burlador de Sevilla y convidado de piedra de Tirso de Molina para chegar, através da commedia dell’arte, com a obra-prima de Molière e obras de autores contemporâneos”.

Depois de falarmos da psicologia da sedução no artigo anterior, vamos analisar a figura que é considerada a personificação por excelência do sedutor: Don Giovanni Tenorio que nasceu como personagem teatral e literário e rapidamente ganhou tanta popularidade que se tornou um dos grandes mitos da civilização ocidental como Ulisses, Édipo, Hamlet e Fausto, ocupando um lugar já estável no imaginário coletivo da sociedade de massa. 

A esse respeito, o filósofo Ortega y Gasset escreve que “existem três tipos de homens. Os que acreditam ser Don Giovanni, os que acreditam que foram Don Giovanni e os que acreditam que poderiam ter sido mas não quiseram” e estes últimos são os que mais cultivam a ilusão.

Don Giovanni, um exemplo de sedutor em série

Em todo ser humano, portanto, é possível que se oculte um Don Giovanni, ou seja, o perfil de alguém que sinteticamente pode ser definido como um jovem de sensualidade desenfreada, um libertino e conquistador de mulheres, um indivíduo que despreza regras e ama transgressão, que não tem medo da morte, que zomba da vida após a morte e da própria divindade. 

É uma personagem que nasceu no início do século XVII e que representa o clima teatral, sensual e passional da sociedade barroca, encarnando em poucos traços a cosmovisão de toda uma época marcada pela fronteira entre o bem e o mal, o prazer e o dever moralidade, transgressão e punição. A sua intolerância para com todas as leis humanas e divinas leva-o a chocar-se até com os mortos e quando mata o pai de uma mulher quer seduzir por engano, ele zomba de sua estátua do homem assassinado, convidando-o para jantar, mas a estátua ganha vida e se transforma no convidado de pedra que aceita o convite. 

Don Giovanni nem recua diante da hoste sobrenatural que o agarra em um aperto mortal, se recusa a se arrepender e é arrastado para o abismo infernal que se abre sob seus pés.

O psicanalista Massimo Recalcati diz que “o desejo de Don Giovanni reflete o fantasma inconsciente (ou consciente) do desejo masculino: desfrutar de seu charme irresistível, transformar a mulher em uma conquista, alongar infinitamente a lista de suas façanhas sedutoras… o primeiro obstáculo que este impulso está destinado a encontrar é que nenhuma das mulheres seduzidas… jamais encontrará a mulher que procura porque “A Mulher” não existe…

Don Giovanni não conhece o sentimento de culpa. Decide não se arrepender, jogar com a verdade: adora a máscara, a maquilhagem, o artifício. A única Lei que ele conhece é a de seu próprio prazer imprudente.

O personagem de Don Giovanni no teatro e na literatura
Figura nascida de uma série de lendas espanholas, Don Giovanni é levado ao palco por Tirso de Molina com Il burlador de Sivilla y convidado de pietra (1625/30) e depois chega a Nápoles para ser representado pela “comédia repentina” dos comediantes da arte com alguns textos como o convidado de pedra do pseudo Cicognini, o convidado de pedra de Andrea Perrucci ou o novo convidado de pedra compensado de Giovanni Anderlini.

Quando os comediantes italianos chegam a Paris, o personagem se estabelece no cenário francês e depois se espalha pela Europa para produzir a obra-prima de Molière, Don Giovanni ou The Stone Feast (1665) e a outra obra-prima absoluta de Don Giovanni di Lorenzo Da Ponte e Wolfgang Amedeo Mozart (1787). 

O personagem fascina outros grandes músicos como Henry Purcell que interpreta The Libertine de Thomas Shandwell (1692), depois Gluck, Pacini, Richard Strauss e finalmente Gian Francesco Malipiero (1966). Claro, o cinema e a televisão lidam com Don Giovanni com obras muitas vezes medíocres, mas também com diretores importantes como Alexander Korda, Alberto Lattuada, Vittorio Cottafavi, Bergman, Joseph Losey, Carmelo Bene, Carlos Saura. 

No final do século XVIII, até o manso Carlo Goldoni escreveu um medíocre Don Giovanni Tenorio em verso, mas é sobretudo no século XIX que o mito encontra nova vida graças a grandes escritores e poetas como Byron, Pushkin, Hoffman, o pai de Alexandre Dumas, Zorrila, Balzac, Mérimée, Flaubert, Baudelaire. No século XX Luigi Pirandello, Bernard Shaw, Karel Capec, Max-Frisch, Dacia Maraini, José Saramago, Edmond Rostand com Don Giovanni’s Last Night) e Odon von Horvàth com Don Giovanni retorna da guerra tratada com esse personagem.

Deste ressurgimento sem fim de obras emerge uma figura multifacetada de Don Giovanni em que o sedutor, o ateu, o ímpio, o hipócrita, o calculista, o enganador que zomba das mulheres e até de Deus; ou, para alguns, ele aparece como o defensor iluminista da liberdade de consciência e do livre arbítrio. Em todo caso, Don Giovanni, como escreve o historiador francês Rousset, “vive uma vida autônoma, passa de obra em obra, de autor em autor, como se pertencesse a todos e a ninguém”.

Em um panfleto anônimo de 1665, intitulado Observations sur une comédie de Molière, intitulado Le festin de Pierre, Don Giovanni é definido como “um demônio que se mistura em todas as cenas e que espalha os vapores mais negros do inferno no teatro”, refletindo a pensou nos círculos católicos parisienses, segundo os quais o drama de Molière seria o espetáculo mais ímpio que apareceu no palco desde os tempos pagãos. 

Neste panfleto o protagonista torna-se o símbolo perverso não só da libertinagem, mas também da impiedade e do ateísmo, um verdadeiro emissário do diabo como aparece na cena do terceiro ato, quando Don Giovanni oferece um luís de ouro desde que você blasfeme Deus, mesmo que o autor das Observações se esqueça de apontar que o ateu Don Giovanni igualmente dá ao pobre homem aquela moeda de ouro “por amor à humanidade”, dando à cena um significado diferente em relação ao suposto pecado de impiedade. Apesar de suas infinitas transformações e reinterpretações, o mito de Don Giovanni atravessou os séculos para chegar até nós, apesar de vivermos imersos em uma “sociedade líquida”, onde as pessoas são possuídas e devoradas com a mesma velocidade. 

A sedução na era das redes sociais viraliza, pois qualquer pessoa pode ser sedutora e seduzida impunemente, chegando a classificar suas possíveis conquistas por gênero, renda, cor da pele, nível cultural e gostos alimentares: o cidadão global Don Giovanni não consome sexo por amor, mas pela recorrência do consumo, tendo um leque infinito de possibilidades para ampliar a lista de suas conquistas. 

O caso de um Don Giovanni made in China é exemplar, o que representa o aspecto mais degradante e degradante do sedutor: na verdade, tal Yuan é um grande caçador de mulheres por consideração, conseguindo ser mantido por suas presas contatadas online. 

O homem fica noivo de dezessete mulheres ao mesmo tempo, mas elas descobrem que dividem a mesma amante quando ele sofre um acidente de carro, então as seduzidas e enganadas se encontram todas juntas em torno de uma cama de hospital. Nesse ponto, eles precisam tomar nota de uma verdade sombria: o charmoso Don Giovanni que circula na rede é apenas um miserável gigolô em busca de dinheiro, então passa-se do dissoluto punido ao vigarista impune. 

Pobre Don Giovanni: o século XXI já não respeita nem mesmo os grandes mitos do passado.


Gostou desta matéria sobre Don Giovanni? Se sim, por favor, curta abaixo com um Like para que possamos entender melhor os interesses de nossos leitores. E leia mais dicas aqui