agape

Eros e Ágape: contraste ou complementaridade?

Última atualização: março de 2024

Ágape, um amor que, ao invés de incorporar o outro no seu ego, o valoriza justamente pelo que ele é, de forma completamente desinteressada

De fato, a pulsão visa apenas a satisfação, enquanto o objeto pode ser variável, intercambiável, tendo um valor puramente instrumental para a gratificação. Eros, por outro lado, atravessa o campo do amor na medida em que seu objeto não é anônimo, mas, ainda que por um determinado período de tempo, específico. A falta surge do desejo daquele objeto ali, cuja posse se deseja até o limite da obsessão. O impulso é principalmente de natureza apropriativa, então na base há uma necessidade de gratificação “narcisista” do próprio ego, do egoísmo.

O outro é reduzido ao status de objeto a ser usufruído consumistamente, embora por um certo período se possa falar de sua “superestimação”, que tenderia a atribuir-lhe características tão maravilhosas que justificariam um interesse tão exclusivo por ele. No entanto, mesmo essa exaltação amorosa não nos faz sair do círculo do narcisismo, ou seja, do fenômeno pelo qual “eu me amo em você”. O outro se confunde como em um espelho com sua própria imagem ideal, ele é idealizado, portanto não é realmente visto pelo que é. O encontro com o real do outro (se apenas Eros estiver em jogo) leva à longa decepção e ofuscação do esplendor que o tornava único.

Ágape, em vez disso, é um termo de derivação cristã, encontrado na versão grega dos Evangelhos. Caritas é seu equivalente latino, caridade. É um amor que, ao invés de incorporar o outro no seu ego, o valoriza justamente pelo que ele é, de forma completamente desinteressada. É um amor livre, que independe de posse e qualquer tipo de retorno em termos egoístas. Na verdade, também pode se voltar para alguém que faz mal, que não corresponde, que está errado. Não se baseia no impulso de receber, mas no impulso de dar, não coisas, mas a si mesmo. Ágape é um dom de si mesmo, por isso é o modelo do amor divino, feito o homem para salvar o homem. É amor absoluto, incondicional, totalmente dedicado ao outro em sua dimensão irredutível ao ego.

Agora, por que contrastar Eros com Ágape? Claro que, por um lado, há o desejo de posse, por outro, o dom de si. Narcisismo por um lado, altruísmo radical por outro. Mas isso apenas se considerarmos as duas forças como divididas. Retirada a complementaridade, seu equilíbrio, aqui ambos podem degenerar. Por um lado, um Eros radicalizado dará lugar a um materialismo estéril nos sindicatos, levando à serialidade nas escolhas e à decepção perene, como vemos hoje no mundo contemporâneo, na era sem valores em que vivemos. Por outro lado, o Ágape sem Eros pode dar origem a uniões muito sólidas no plano afetivo, mas sem aquele húmus vital dado pela troca entre seres de carne.

Faz mais sentido contrastar Eros com Philos, uma terceira forma de amor, amor fraterno, amizade. Os dois são inconciliáveis ​​na medida em que o primeiro é erótico, enquanto o segundo não é. Ágape não é dessexualizado, pode ser (no sentido de amor ao próximo), assim como pode encontrar, contaminar e ser tocado por Eros.


Então Eros é fortalecido pelo Ágape porque através do dom de si mesmo, do dom de si mesmo, o homem pode alcançar a satisfação mais absoluta, a plenitude que ele anseia no movimento ascendente em direção ao outro. O encontro com a diferença é finalmente realizado, para além de qualquer erro imaginário.


Gostou desta matéria sobre Ágape? Se sim, por favor, curta abaixo com um Like para que possamos entender melhor os interesses de nossos leitores. E leia mais dicas aqui