viagra

O que é Viagra e funciona?

Deuses do Amor - Última atualização: 25 de novembro de 2023

O Viagra é um medicamento que contém o ingrediente ativo sildenafil e vem na forma de comprimidos azuis em forma de diamante (25, 50 ou 100 mg).

Para que serve o Viagra?

Viagra é usado para tratar homens adultos com disfunção erétil (também chamada de impotência ), que é a incapacidade de obter ou manter uma ereção suficiente para uma atividade sexual satisfatória. Para que o Viagra faça efeito, é necessária estimulação sexual. O medicamento só pode ser obtido mediante receita médica.

Como é usado?

A dose recomendada de Viagra é de 50 mg, tomada conforme necessário, aproximadamente uma hora antes da atividade sexual. Se o Viagra for tomado com uma refeição, seu efeito pode ser retardado em comparação com quando tomado sem alimentos . 

Dependendo da eficácia e dos efeitos colaterais, a dose pode ser aumentada para 100 mg ou diminuída para 25 mg. Os doentes com problemas hepáticos ou problemas renais graves devem iniciar o tratamento com uma dose de 25 mg. Recomenda-se não tomar mais de um comprimido por dia.

Como funciona o Viagra?

O ingrediente ativo do Viagra, o sildenafil , pertence a um grupo de medicamentos chamados inibidores da fosfodiesterase tipo 5 (PDE5). Ele funciona bloqueando a enzima fosfodiesterase, que normalmente reduz os níveis de uma substância chamada monofosfato de guanosina cíclico (cGMP). 

Durante a estimulação sexual normal, o pênis produz cGMP, que faz com que a musculatura do tecido esponjoso do pênis (os corpos cavernosos) relaxe, permitindo que o sangue flua para os corpos cavernosos, o que produz uma ereção . Ao bloquear a degradação do cGMP, o Viagra restaura a função erétil. No entanto, a estimulação sexual é sempre necessária para obter uma ereção .

Que estudos foram feitos sobre o Viagra?

Quatro estudos principais foram realizados com o Viagra em 1.690 homens com idades entre 19 e 87 anos, comparando-o com um placebo (tratamento simulado) durante 12 a 26 semanas. Desses estudos, dois eram de dose fixa (os pacientes sempre recebiam 25 mg ou 50 mg ou 100 mg) e dois eram de dose variável (os pacientes recebiam inicialmente 25 mg e depois, dependendo de sua resposta, podiam mudar para 50 ou 100 mg). 

Estudos também foram conduzidos em pacientes com lesão da medula espinhal e em pacientes diabéticos. O principal parâmetro de eficácia foi a capacidade de obter e manter uma ereção , que foi registrada em um questionário especial preenchido em casa usando um sistema de classificação baseado em uma escala de 5 pontos (onde 5 é o melhor resultado).

Que benefício o Viagra demonstrou durante os estudos?

O Viagra foi significativamente mais eficaz do que o placebo em todos os estudos. No questionário, a pontuação da questão de quantas vezes o paciente conseguiu ter relações sexuais passou de 2 sem tratamento para 3 ou 4 com Viagra 50 mg. Nos estudos de dose fixa, a proporção de pacientes que relataram melhora foi de 62% (25 mg), 74% (50 mg) e 82% (100 mg), em comparação com 25% com placebo.

Quais são os riscos associados ao Viagra?

O efeito secundário mais frequente (observado em mais de 1 em cada 10 doentes) é a dor de cabeça . Para a lista completa dos efeitos secundários comunicados relativamente ao Viagra, consulte o Folheto Informativo.

O Viagra não deve ser utilizado em pessoas que possam ser hipersensíveis (alérgicas) ao sildenafil ou a qualquer outro ingrediente, ou em casos em que a atividade sexual seja desaconselhável (por exemplo, em homens com problemas cardíacos graves, como angina instável ou insuficiência cardíaca grave ). Também não deve ser tomado por pessoas que tiveram perda de visão devido a problemas de fluxo sanguíneo para o nervo óptico (neuropatia óptica isquêmica anterior não arterítica – NAION). 

O Viagra não deve ser tomado com nitratos (um tipo de medicamento usado para tratar a angina). Como o Viagra não foi estudado em pacientes com problemas hepáticos graves, hipotensão ( pressão arterial baixa ), acidente vascular cerebral recente ou infarto do miocárdio (ataque cardíaco) ou distúrbios oculares hereditários conhecidos, como retinite pigmentosa , esses pacientes não devem usá-lo.

Por que o Viagra foi aprovado?

O Comitê de Medicamentos para Uso Humano (CHMP) decidiu que os benefícios são maiores do que seus riscos para o tratamento de homens com disfunção erétil. Assim, o comité recomendou que fosse concedida uma autorização de introdução no mercado ao medicamento.


Gostou desta matéria sobre Viagra? Se sim, por favor, curta abaixo com um Like para que possamos entender melhor os interesses de nossos leitores. E leia mais dicas aqui